|Segunda-feira, 18 Fevereiro 2019
(Foto:Ednilson Aguiar/ O Livre)

Servidores endividados: a dura vida de quem recebe escalonado

Na casa da analista de meio ambiente Tatiane Borges, as contas e os juros acumulam há mais de um ano

COMPARTILHECOMPARTILHE

O governo do Estado deposita nesta segunda-feira (11) a primeira parcela dos salários dos servidores referente ao mês de janeiro. Será a “estreia” da estratégia criada pela gestão Mauro Mendes (DEM) – definir um “teto” e pagar a todos, estabelecendo datas para completar os salários daqueles que recebem valores maiores – para amenizar o impacto da crise financeira que tem atingido não só os cofres do Executivo, mas o bolso de quem ocupa um cargo público.

Em janeiro, quando Mendes anunciou que o governo não tinha condições de quitar a folha de pagamento no dia 10, os serviços de telefone e internet foram os primeiros a serem cortados na casa da servidora pública Tatiane Maria Borges.

A analista de meio ambiente de 36 anos também viu o fornecimento de água e luz ficarem sob ameaça, diante das contas acumuladas. Para fazer as compras do mês e abastecer o carro da família, ela precisou fazer um empréstimo que, aliás, não conseguiu pagar na data prevista.

2019 começou conturbado para muitos servidores do governo, mas, na casa de Tatiane, a situação foi mais crítica. Além dela, o marido é funcionário público e os dois caíram na lista das pouco mais de 13 mil pessoas empregadas no Estado que só viram a cor dos salários no final de janeiro.

O primeiro escalonamento da folha salarial feito pela gestão Mauro Mendes seguiu o modelo que já vinha sendo aplicado pelo ex-governador Pedro Taques (PSDB): dividiu os pagamentos por faixas de valor. No dia 10, só aposentados, pensionistas e quem tinha direito a menos de R$ 4 mil foi “contemplado”. Os demais receberam nos dias 24 (salários até R$ 6 mil líquido) e 30 (salários que ultrapassam esse valor).

Segundo Tatiane, foi a pior situação enfrentada pela família desde que Taques mudou a data do pagamento, em novembro de 2016. Na época, os salários que eram depositados ainda no mês trabalhado, passaram a cair só no dia 10 do mês seguinte.

“As primeiras contas, pagamos todas com atraso: luz, água, telefone, escola. As que pudemos mudar a data de vencimento, mudamos e começou a dar certo. Mas eu tenho uma dívida no banco que não consegui renegociar. Desde então, pago juros todo mês”, conta a servidora.

13º salário

O não pagamento por parte do governo Taques do 13º salário também contribuiu para a crise financeira na casa de Tatiane. O dinheiro era aguardado para fazer a matrícula dos filhos na escola, um compromisso que só conseguiu ser honrado na véspera do início das aulas, que começaram na segunda-feira passada, dia 4.

E a família ainda teve sorte. O primeiro dos três filhos de Tatiane conclui o segundo grau em 2018 e passou no processo seletivo da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Uma prestação a menos para pagar a partir deste ano.

Tatiane é aniversariante de janeiro, o que significa que seu último 13º foi pago há cerca de um ano. Como o benefício chegou antes do acréscimo da Revisão Geral Anual (RGA) incorporada aos salários dos servidores no ano passado – a RGA, em geral, é concedida em maio –, em dezembro ela deveria ter recebido uma correção monetária.

O dinheiro não veio. Pior, com dívidas acumuladas, Tatiane havia optado por “antecipar” o benefício, um serviço que é oferecido por várias instituições financeiras. Agora, ela tem mais um débito com o banco que depende de uma tentativa de renegociação, o que não vai livrá-la de pagar juros.

Com a decisão do governo Mauro Mendes de transferir, novamente, o pagamento do 13º salário de todos os servidores para o fim do ano, Tatiane tem mais 11 longos meses pela frente.

COMENTÁRIOS

  1. Triste realidade dos servidores públicos estaduais, infelizmente governos passados acabaram com o dinheiro do estado, a bomba estora para os fracos, e os bandidos estão aí soltos com suas contas em dias!

Deixe um comentário

Please enter your name here
Please enter your comment!

LINKS PATROCINADOS

DESTAQUES

Bairro Cuiabá História Municípios Policia
Entidade ligada à ONU oferece R$ 235 mil para desenvolver Centro Histórico
Líder comunitário faz “filme” sobre o Pedra 90 pedindo agência bancária
Cuiabá 300 Anos: Influenciadoras digitais fazem tour por bairros tradicionais
Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
Advogada é impedida de acessar processo e OAB move ato público em Sinop
TJMT mantém condenação de vice que falsificou assinatura de prefeito
MPE investiga professora que teria apresentado diploma falso para conseguir aulas
Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
Madeireiros passam a conviver com período de “piracema” florestal
Produção orgânica e a um preço mais em conta: conheça a Horta Terra Estrela
Mourão, sobre infraestrutura: “Fácil não é; se fosse fácil não seria para nós”
Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
Cuiabá ganha SPA conceito com a assinatura de Guilherme Bravo
Artista plástico de Poxoréu muda o cenário da cidade
Músicos se apresentam em sala de espera enquanto pacientes aguardam por exames
Corrupção Economia Eleições Estados Política
Manifestantes pedem Justiça após morte de jovem por segurança
Bombeiros localizam mais dois corpos em Brumadinho
HQs brasileiras ganham visibilidade e prêmios no exterior
Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
Prefeitura convoca novos profissionais para creches
MT dobrou número de novos empreendedores em apenas 5 meses
Convocados para vagas de Profissionais Técnicos da Unemat tem até terça para assinar contrato
X