|Domingo, 24 Março 2019
(Foto: Suellen Pessetto/ O Livre)

Projeto de Mauro Mendes pode impedir o pagamento da RGA por 2 anos

Governador propõe critérios mais rígidos para repor inflação no salário dos servidores

COMPARTILHECOMPARTILHE

O projeto de lei proposto pelo governador Mauro Mendes (DEM) para regulamentar a Revisão Geral Anual (RGA) cria regras mais rígidas para definir se o Estado pode ou não repor a inflação no salário dos servidores estaduais. O texto faz parte de um pacote de ajuste fiscal entregue por Mendes à Assembleia Legislativa nesta quinta-feira (10), no décimo dia de seu mandato.

Segundo o deputado estadual Leonardo Albuquerque (SD), se esses critérios entrarem em vigor, não deve haver capacidade financeira para pagar a RGA até 2021. Leonardo, que foi líder do governo Pedro Taques (PSDB), prevê dificuldades para que o pacote seja aprovado ainda neste mês, antes de os novos deputados tomarem posse.

“Pelo projeto, a RGA só seria paga se houver capacidade financeira, e como não tem previsão de ter capacidade financeira nos próximos dois anos e meio… Nenhum desses projetos vai ser aprovado na atual legislatura”, avaliou Leonardo, que está no fim do mandato e, a partir de fevereiro, será deputado federal.

A próxima legislatura deve ter uma frente parlamentar em defesa dos servidores, o que tornará ainda mais dura a negociação para aprovar a proposta.

O deputado Mauro Savi (DEM) explicou que a intenção do governador é deixar de pagar a RGA, para conseguir colocar os salários em dia e acabar com o escalonamento da folha.

Definição da capacidade financeira

O projeto cria o indicador “Capacidade Financeira de Pagamento”, que define que as despesas precisam estar abaixo da receita para que o Estado possa pagar a RGA.

Pelo projeto, a receita ordinária líquida do Tesouro (Rolt) precisa ser maior que as despesas totais custeadas por ela (DTrolt). A DTrolt soma despesas empenhadas, restos a pagar liquidados sem disponibilidade financeira e restos a pagar não processados, além das dívidas dos duodécimos aos Poderes e Órgãos Autônomos.

No governo Pedro Taques (PSDB), o critério adotado foi o da Lei de Responsabilidade Fiscal, que permite ao Poder Executivo gastar até 49% da receita corrente líquida com folha de pagamento. Apesar de o Estado ter estourado esse teto de 49%, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) permitiu alguns reajustes depois de uma manobra contábil que excluiu o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) e a folha da Defensoria Pública da conta.

Quando anunciou que não pagaria o reajuste em 2016, alegando falta de dinheiro, o tucano enfrentou uma greve geral de cerca de 30 dias, e acabou recuando. Nos governos anteriores, não houve discussão e polêmicas envolvendo a RGA.

“Não é congelamento”

Segundo Mauro Mendes, a intenção do projeto é deixar claros os critérios usados para definir se o Estado tem condições financeiras de pagar a RGA, para que essa não seja uma decisão tomada com base em interpretação de cada governo. Ele argumentou, ainda, que pagar a RGA sem capacidade financeira pode acabar tornando inviável o pagamento do próprio salário dos servidores.

“O tema gera instabilidade na relação entre os servidores públicos e o Poder Executivo Estadual, visto que não há definição técnica para o que se deva entender por ‘capacidade financeira’, de modo que este projeto visa garantir segurança jurídica ao assunto”, disse o governador na justificativa do projeto.

Ao entregar o pacote de ajuste fiscal aos deputados estaduais nesta quinta-feira, Mauro negou que esteja congelando os salários dos servidores. “Não estou revogando a RGA. A lei diz que a RGA deve ser paga quando houver condições financeiras. Estamos regulamentando o que é condição financeira, porque isso não pode ficar com uma interpretação vaga. Não é congelamento”, disse.

Deixe um comentário

Please enter your name here
Please enter your comment!

LINKS PATROCINADOS

DESTAQUES

Bairro Cuiabá História Municípios Policia
Acidente entre três motos e um carro deixa dois mortos na manhã deste domingo
Professores preferem escolas militares: “aqui a gente consegue trabalhar”
Em menos de uma semana, quatro ameaças a escolas mato-grossenses são investigadas
Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
Vídeo: produtor denuncia índios por incêndio em ponte recém-construída
Chapada dos Guimarães: uma cidade travada pelas brigas políticas
Crimes de corrupção ativa e passiva podem ser julgados pelo Tribunal do Júri
Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
Ministério vai implantar processo digital na Comissão Especial de Recursos do Proagro
Baixa pressão pode formar um ciclone tropical no litoral da BA e norte do ES
Brasil exportará gado vivo para o Cazaquistão
Artes Cênicas Artes Visuais Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia Literatura Moda Música
Professoras encontram ferimento em ânus de bebê e denunciam; confira as mais lidas da semana
Festival Internacional Pequeno Cineasta abre inscrições para 8ª edição
Procurando algo na Netflix? confira a 2ª temporada de The OA e outros lançamentos
Corrupção Economia Eleições Estados Política
Bolsonaro discute reforma da Previdência com Major Vitor Hugo
Anatel inicia bloqueio de celulares irregulares em 15 estados
Reforma da Previdência beneficiará mais pobres, revela ministério
Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
Confira 10 concursos com vagas abertas e salários que pagam até R$ 18 mil
Startup criada em MT ajuda pais e mães e a encontrarem a babá certa
Prefeitura de Cuiabá convoca mais aprovados em concurso da Educação
X