|terça, 17 Julho 2018

    A triste geração das cabeças baixas

    COMPARTILHECOMPARTILHE

    Não, não são cabeças baixas no sentido de obediência. Na verdade, eles nem ouvem o que dizemos. Estão de tal forma absortos em seus celulares e iPads, que não se dão ao luxo de ouvir nossos comandos.

    Estou falando dessa geração de crianças e adolescentes que nasceu em um mundo digital. Falo do meu filho, do seu, dos nossos pequenos viciados em tecnologia.

    Se quiser comprovar o que digo, experimente observar o recreio ou a saída de uma escola que permite o uso de eletrônicos nos intervalos. Verá todos olhando para baixo, sem interação com colegas, cada um envolvido na sua própria realidade virtual.

    Pois esta semana foi a hora da mudança aqui em casa. Por causa de alguns problemas na escola, radicalizei: tirei todos os eletrônicos do meu filho por uma semana. Celular, IPad, televisão, tudo entrou no pacote.

    E qual foi a surpresa?

    Foi a melhor semana que tivemos nos últimos anos. Voltamos a conversar. Ele voltou a visitar a casa do tio, nosso vizinho de frente. Voltou a interagir com os primos. Voltou a fazer parte do mundo real.

    A conversa mais bacana que tivemos foi sobre pessoas inspiradoras. Lendo com ele, para um trabalho da escola, o livro de Malala, a adolescente que levou 3 tiros do Talibã por frequentar uma escola sendo menina, pudemos falar sobre sua determinação, de como ela era madura e consciente de seu objetivo de lutar pela educação das mulheres num país tão retrógrado quanto o Paquistão.

    Também por causa da escola, falamos sobre Donald Trump e até sobre o FMI. Meu Deus, meu filho, que desaprendera a conversar, estava dialogando novamente. Ele, que não se comunicava mais comigo na volta da escola, após o jantar, nos fins de semana. Ele voltou a falar!

    Não tive dúvida.

    De agora em diante, eletrônicos, inclusive celular, serão limitados a uma hora por dia durante a semana. No final de semana, serei mais flexível. Não será uma batalha fácil, mas não hesitarei em mudar de ideia se perceber que está viciado novamente.

    Não podemos perder nossos filhos para os eletrônicos. Não devemos achar que é normal ele ficar mais tempo jogando do que conversando conosco.

    Não. Está errado. Vamos trazê-los de volta ao real. Ao mundo das conversas, das relações humanas.

    Não podemos nos conformar em dizer que essa é a triste geração das cabeças baixas. A triste geração que desaprendeu a conversar.

    Limite os eletrônicos, radicalize. Faça uma experiência. Estou fazendo a minha e, daqui a algum tempo, vou contar aqui se deu certo.

    Não acho que descobri a fórmula para criar nossos filhos, mas pode ser um começo. Quem sabe?

    Assinatura Debora Nunes

     

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    Estado de Mato Grosso não deve autorizar desmates na APA Cabeceiras do Rio Cuiabá
    Parque Serra Azul registra terceiro foco de incêndio em 2018
    Esposa é ameaçada pela ex-amante do marido em Sinop
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    “A eleição está chegando e já tem político tentando me calar nas redes sociais”, diz Taques sobre determinação judicial
    Taques põe “panos frios” em críticas de Lucimar: “Várzea Grande sempre merece mais”
    Mato-grossenses têm R$123 mi liberados de restituição do IR; consulte o lote
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Santander lidera queixas a bancos no trimestre, diz Banco Central
    Fenabrave traz para MT debate sobre o cenário político do país
    Saldo da balança do agro em junho é de US$ 8,17 bilhões
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Líder quilombola Nezinho teria sido agredido por policial durante festa tradicional em Mata Cavalo
    Protagonista de “Todo Mundo Odeia o Chris” tem interesse em gravar um reboot da série
    Confira o primeiro teaser de Doctor Who com Jodie Whittaker
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Por dia, 37 crianças são vítimas de intoxicação ou envenenamento
    Chanceler brasileiro viaja para negociar acordo entre Mercosul e UE
    Mais de 3,3 milhões de contribuintes recebem hoje restituição do IR
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Concursos públicos pagam salários até R$20 mil; confira lista
    Prefeitura de Tapurah lança Concurso Público com mais de 90 vagas
    Sine Municipal de Sinop disponibiliza mais de 70 vagas de emprego
    X