|Terça-feira, 19 Fevereiro 2019

    A Justiça italiana condenou gestores públicos por não preverem terremotos

    COMPARTILHECOMPARTILHE

    Em 2009, um terremoto de 6.7 graus na escala Richter atingiu a Itália. O evento deixou 308 vítimas fatais e desabrigou mais de 50 mil pessoas. Mas esse evento trouxe à tona uma discussão polêmica. Se os terremotos não podem ser previstos, por que sete pessoas foram condenadas por não serem capazes de prognosticar tal acontecimento?

    Sempre recebo emails de pessoas sugerindo temas interessantes e ontem não foi diferente. Um dos seguidores me enviou um link sobre o fatídico terremoto de Áquila, em 2009. Eu já havia falado sobre esse terremoto com uma abordagem informativa, descrevendo seu impacto.

    Hoje, a minha questão é a condenação dos responsáveis pela segurança do local. No Jornal espanhol El Mundo, uma nota antiga, “Seis años de cárcel por no haber previsto el mortal terremoto de L’Aquila”, faz uma dura crítica ao fato.

    Isso serve como exemplo para os que vivem em áreas de risco saberem que, mesmo sem a aceitação dos cientistas, a população e, vejam!, a própria Justiça, reconheceu isso. A questão levantada foram os tremores prévios, que muitas vezes antecipam o ocorrido.

    Claro que eu ainda estou do lado dos cientistas. Sei que existe uma política ou código de ética que levam ao discurso de que “terremotos não podem ser previstos”. Mas frente a abalos antecipadores, eu teria dito para a população manter a atenção. Ao menor sinal de perigo, atenção dobrada, sobretudo em um país sísmico.

    A verdade é que, se os terremotos não podem ser previstos, então o julgamento deveria ter tido um final totalmente diferente. Mas parece que a Justiça italiana, assim como eu, estamos de acordo de que a natureza nos dá sinais e eles devem ser levados em conta.

    Agradeço ao senhor Osório pela sugestão de tema. Eu sempre leio todos os emails. Um abraço a todos os leitores – e façam como Osório, continuem enviando sugestões.

    La justicia italiana condenó a gestores públicos por no prever terremotos 

    En 2009, un terremoto de 6.7 grados en la escala de Richter sacudió Italia. El evento dejó 308 víctimas mortales y desabasteció a más de 50 mil personas. Pero ese evento trajo a la luz una discusión polémica. Si los terremotos no pueden ser previstos, porque siete personas fueron condenados por no ser capaces de pronosticar tal acontecimiento?

    Siempre recibo emails de personas que sugieren temas interesantes y ayer no fue diferente, uno de los seguidores me envió un enlace sobre el fatídico terremoto de Aquila en 2009. Yo ya había hablado sobre ese terremoto con un enfoque informativo, describiendo su impacto.

    Hoy mi cuestión es la condena de los responsables de la seguridad del lugar. En el diario español El Mundo una nota antigua “Seis años de cárcel por no haber previsto el mortal terremoto de L’Aquila” hace una dura crítica al hecho.

    Esto sirve como ejemplo para los que viven en áreas de riesgo saber que incluso sin la aceptación de los científicos, la población y, vean !, la propia Justicia lo reconoció. La cuestión planteada fueron los temblores previos, que muchas veces anticipan lo ocurrido.

    Por supuesto que todavía estoy del lado de los científicos, sé que existe una política o código de ética que lleva al discurso en una ocasión así de que “terremotos no pueden ser previstos” Pero frente a las sacudidas anticipadas yo habría dicho a la población mantener la atención . Al menor signo de peligro, atención doblada, sobre todo en un país sísmico.

    La verdad es que si los terremotos no pueden ser previstos, entonces el destino del juicio debería haber tenido un final totalmente diferente. Pero parece que la justicia italiana, así como yo, están de acuerdo en que la naturaleza nos da señales y que deben ser tenidos en cuenta.

    Agradezco al señor Osório, por la sugerencia de tema. Siempre leo todos los correos electrónicos. Un abrazo a todos los lectores, y hagan como Osório, continúen enviando sugerencias.

    Assinatura Coluna Aroldo

     

    Deixe um comentário

    Please enter your name here
    Please enter your comment!

    LINKS PATROCINADOS

    DESTAQUES

    Bairro Cuiabá História Municípios Policia
    MTI e Detran selam termo de compromisso para modernizar sistemas tecnológicos
    Denunciada por estudantes, suspeita de fraude nas cotas da UFMT é investigada pelo MPF
    Pacientes não conseguem retirar medicamentos na Farmácia de Alto Custo
    Assembléia Legislativa Câmara Municipal Eleições 2018 Governo Judiciário Partidos Prefeitura
    Ulysses indica juiz à vaga de conselheiro e defende critérios para escolha
    MPE vai investigar a distribuição de medicamentos em Cuiabá
    Audiências com delatores da Rêmora são adiadas na Sétima Vara Criminal
    Agricultura Agropecuária Economia Agrícola Indicadores Agrícolas Pecuária Tecnologia Agrícola
    Madeireiros passam a conviver com período de “piracema” florestal
    Produção orgânica e a um preço mais em conta: conheça a Horta Terra Estrela
    Mourão, sobre infraestrutura: “Fácil não é; se fosse fácil não seria para nós”
    Artes Cênicas Artes Plásticas Artesanato Cinema Comportamento Cultura Popular Gastronomia LIteratura Música
    Cine Teatro Cuiabá recebe espetáculo sobre conscientização ambiental e patrimônio público
    Cuiabá ganha SPA conceito com a assinatura de Guilherme Bravo
    Artista plástico de Poxoréu muda o cenário da cidade
    Corrupção Economia Eleições Estados Política
    Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência
    “Melhor programa de governo a ser seguido por um filho é não atrapalhar o pai”
    Fiscalização apreende 104 celulares e drogas em presídio de Campos
    Concurso Dicas Estágio Vagas de Emprego no Mato Grosso
    Prefeitura convoca novos profissionais para creches
    MT dobrou número de novos empreendedores em apenas 5 meses
    Convocados para vagas de Profissionais Técnicos da Unemat tem até terça para assinar contrato
    X