16 de agosto de 2017 - 21:04

Investimentos devem ficar fora do Teto de Gastos de Mato Grosso, diz secretário

Fazer obras e comprar equipamentos são formas de driblar o limite de gastos públicos

Laíse Lucatelli

, da Redação

laise.lucatelli@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

Secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira

O secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira


Os investimentos devem ficar fora do Teto de Gastos a ser instituído em Mato Grosso, informou o secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira. Essa foi a forma encontrada pelo governo para equacionar o aumento dos gastos com saúde e educação sem ferir o limite das despesas, já que esses dois setores são vinculados à receita.

“O teto vem para conter despesas primárias, que são basicamente folha e custeio”, explicou Oliveira. “Investimentos não são despesas primárias. Por isso, eles não estão dentro do teto”, disse.

Dessa forma, os 25% que o governo precisa gastar com educação e os 12% da saúde podem ser cobertos com obras, móveis e equipamentos. Assim, o teto é cumprido e os mínimos constitucionais, também.

O secretário observou que essa medida pode resolver também o problema do Fundo de Apoio ao Judiciário (Funajuris) se o Tribunal de Justiça usar o fundo para investimentos em obras e equipamentos e não no custeio. O TJ tem insistido para que o fundo, cujo orçamento é de R$ 288 milhões para este ano, não seja limitado pelo teto.

Cortes

“O teto vem para conter despesas primárias, que são basicamente folha e custeio. Investimentos não são despesas primárias. Por isso, não estão dentro do teto”

Para o deputado José Domingos Fraga (PSD), a medida ajuda, mas ainda não resolve o problema. O fato de o limite ser o das despesas primárias empenhadas em 2016 faz com que o orçamento dos Poderes seja menor.

Na manhã desta quarta-feira (16), o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), já havia afirmado que, da forma como está, o projeto do teto corta R$ 100 milhões do orçamento das instituições.

Por isso, os deputados avaliam a possibilidade de emplacar alterações no projeto de emenda constitucional (PEC) para que o teto tenha como base o ano de 2017, informou Zé Domingos.

O entrave é que a lei federal prevê que o ano de 2016 seja usado como base.

A Lei Complementar 156 exige dos Estados que, nos anos de 2018 e 2019, as despesas primárias sejam de, no máximo, o valor empenhado em 2016. Em Mato Grosso, isso corresponde a R$ 16 bilhões, corrigidos pela inflação. O governo estadual busca se enquadrar nessa lei para obter a renegociação de dívidas e, assim, conseguir um fôlego de R$ 500 milhões em dois anos.

02 Comentário(s)

Capivara Cuiabana - 18.08.2017

E desde quando investimentos não são despesas primárias? Acho que o STN não concorda com esse Secretário...

Henrique - 17.08.2017

Sabe nada guri. Se para cada R$ 1,00 de investimento devo provisionar R$ 0,40 de despesa corrente (custeio) e se o teto dos gastos irá atingir diretamente essas despesas, como essa conta pode fechar? Novamente, barberagem orçamentária/financeira. Quando os homens de bem omitem, o mal triunfa!!!

Leia mais