10 de outubro de 2017 - 20:51

Deputados manobram e adiam votação da PEC do Teto para semana que vem

Saturnino Masson e Valdir Barranco pediram vista de projetos para interferir na data de votação

Laíse Lucatelli

, da Redação

pautas@olivre.com.br

Deputados da base governista e da oposição fizeram manobras e acabaram adiando a votação da proposta de emenda constitucional (PEC) do Teto de Gastos para a semana que vem.  Os deputados Saturnino Masson (PSDB) e Valdir Barranco (PT) fizeram pedidos de vista para manobrar a votação. 

O imbróglio começou na reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na tarde desta terça-feira (10). O deputado Saturnino Masson pediu vista do projeto na comissão, atrapalhando os planos da deputada Janaina Riva (PMDB) de pedir vista e atrasar a votação. Segundo a oposição, a intenção dos governistas era devolver o projeto ainda hoje e forçar uma votação na sessão plenária da noite desta terça.
 
"Achei uma manobra desnecessária da situação. A obstrução de pauta é a única artimanha que nós, da oposição, temos para forçar o diálogo. Não estou tentando impedir a PEC de ser aprovada, até porque se fizermos as contas, a base tem ampla maioria e vai aprovar essa PEC com tranquilidade. O que eu quero é forçar um diálogo. Os servidores do Detran  até hoje não conseguiram sentar para negociar com o governo. É o tipo de intransigência que não pode haver", disse Janaina.
 
De fato, o presidente da CCJ, Pedro Satélite (PSD), chegou a convocar uma reunião extraordinária da comissão durante a sessão para votar o relatório da PEC. Foi impedido, porém, pela manobra de Valdir Barranco. O petista pediu vista de um dos vetos que estava na pauta e, com isso, conseguiu encerrar a sessão, impedindo a votação do Teto de Gastos. O veto tratava da lei de diretrizes orçamentárias (LDO).
 
Ao fim da sessão, Barranco admitiu que manobrou para atrasar a votação. "Foi uma manobra legítima. Eles queriam reunir a CCJ em plenário para poder votar o Teto ainda hoje", defendeu. O petista afirmou que a PEC é prejudicial a população mais pobre de Mato Grosso e por isso ele vai fazer o que for possível para obstruir a votação. "Agora vou passar o feriadão debruçado sobre esse veto da LDO", disse.
 
A manobra  do petista foi possível porque a pauta está  trancada e nada pode ser votado enquanto todos os vetos não forem apreciados.