11 de janeiro de 2018 - 07:25

Presidente da Santa Casa diz que hospital vai parar na segunda-feira

Funcionários do hospital estão há dois meses sem receber salários

Lázaro Borges

, da Redação

lazaro.borges@olivre.com.br

Ednilson Aguiar/O Livre

Santa Casa

Segundo Antônio Preza, a situação da Santa Casa é a pior entre todos os hospitais filantrópicos de Mato Grosso

O presidente da Santa Casa, o médico Antônio Preza, informou nesta quarta-feira (10) que o hospital filantrópico vai parar as atividades na próxima segunda-feira (15). Segundo Preza, os atrasos nos repasses do Governo do Estado e da Prefeitura fizeram com que a Santa Casa atrasasse em dois meses os salários dos funcionários.

Os enfermeiros, profissionais da limpeza e da cozinha do hospital já ameaçam greve desde o início da semana. Uma reunião entre o sindicato da categoria e a gestão do hospital chegou a um acordo de que o salário de outubro seria pago na sexta.

O presidente do hospital diz que cumpri-lo será impossível cumprir o acordo porque o dinheiro repassado até aqui pela Prefeitura e pelo Estado não foi o suficiente. Segundo ele, a paralisação não será um ‘protesto’ e sim um resultado da falta de recursos.

“Todos os filantrópicos estão passando por dificuldades, mas a situação da Santa Casa é a mais difícil de todas. Existem repasses atrasados na casa dos R$ 6,5 milhões tanto com a Prefeitura quanto com o Estado”, resumiu Preza.

A enfermeira Adriana Cardoso é uma das vítimas do atraso salarial. Ela mora com a mãe, mas não teve como ajudar a família com a despesa da casa este mês. A compra do enxoval da filha, que está gestante, também foi adiada.

“Ontem eu nem fui trabalhar, porque não tinha vale-transporte. Tudo que eles falam para a gente é que o repasse do governo atrasou e que eles não têm como pagar os salários”, contou ela.

O principal ponto de desacordo entre a Santa Casa e o Governo é referente a um acordo que teria sido anunciado pelo governador para cobrir o déficit dos filantrópicos. Este valor seria de R$ 2,5 milhões e, à Santa Casa, seriam reservados R$ 656 mil por mês. A última parcela, de novembro, foi paga ontem, mas Preza diz que o valor ainda não é o suficiente para cobrir o déficit.

Em relação à Prefeitura, o médico diz que a dívida gira em torno de R$ 4,5 milhões, referentes aos leitos de retaguarda (pacientes transferidos do corredor do Pronto-Socorro Municipal). A cada mês, a Santa Casa deveria receber R$ 600 mil do município, valor que não é pago desde abril.

Outro lado

A assessoria da Secretaria de Estado de Saúde (SES) respondeu a reportagem do LIVRE afirmando que os repasses do Governo são feitos primeiro ao Fundo Municipal de Saúde e que a responsabilidade para redirecionar os valores é da Prefeitura.

A SES discordou do valor da dívida anunciada por Preza e informou que os repasses são feitos de forma “voluntária” e que já estão regularizados. “Cabe à prefeitura, por meio do Fundo Municipal de Saúde, fazer os devidos pagamentos aos prestadores de serviços contratados, incluindo os hospitais filantrópicos”, diz trecho da nota. 

A secretária municipal de saúde de Cuiabá, Elizeth Araújo, confirmou que o governo repassou a competência de UTI do mês de setembro, no valor de R$ 3.612.799,84, e a última parcela do acordo com as filantrópicas, no valor de R$ 2.162.143,45, que chegou na segunda-feira (08) às 18h. Todos os valores, segundo a secretaria, foram repassados nesta quarta à Santa Casa. 

Nota do Governo

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) repassou no dia 5 de janeiro R$ 22,3 milhões para a prefeitura de Cuiabá. Este valor inclui o pagamento de média e alta complexidade do mês de agosto e o incentivo às UTIs referente a setembro. Cabe à prefeitura por meio do Fundo Municipal de Saúde fazer os devidos pagamentos aos prestadores de serviços contratados, incluindo os hospitais filantrópicos.

No repasse ao Fundo Municipal de Saúde de Cuiabá também está incluída a parcela de R$ 2,5 milhões referente ao mês de novembro e que corresponde à última parcela do acordo feito em agosto passado entre o governo do Estado e os hospitais filantrópicos de Cuiabá e Rondonópolis. Esta parcela totalizou um aporte voluntário de R$ 7,5 milhões (parcela de R$ 2,5 milhões nos meses de setembro, outubro e novembro) e que somado aos valores já repassados voluntariamente pelo Governo do Estado desde 2015 totalizam R$ 22,5 milhões.

Obs.: conforme reportagem (arquivo em anexo) de A Gazeta desta quarta, a prefeitura de Cuiabá informou que o dinheiro estará na conta dos hospitais nesta quinta-feira.

Nota da Prefeitura

Em relação aos últimos repasses do governo, a secretária municipal de saúde de Cuiabá, Elizeth Araújo esclarece que o governo repassou a competência de UTI do mês de setembro, no valor de R$ 3.612.799,84, e a última parcela do acordo com as filantrópicas, no valor de R$ 2.162.143,45 que chegou na segunda-feira, 08, às 18h. O outro repasse foi equivalente ao serviço do São Benedito, uma parcela do Pronto Socorro e o custeio de média e alta complexidade do Hospital Santa Helena, Santa Rosa e Hospital de Câncer, no valor de R$ 3.300.000,00. Todos estes valores foram repassados para os hospitais hoje, 10/01/18.

01 Comentário(s)

Cida Ribeiro - 11.01.2018

Gostaria de saber se ele já resolveu os casos de nepotismo denunciados. A população é chama da a ajudar doando recursos através de conta de luz, e depois descobre os parentes do diretor recebendo salários altíssimos. Isso já foi saneado? Ou continuam achando que estamos aqui pra isso mesmo, sermos feitos de trouxa??