14 de novembro de 2017 - 16:54

Homem suspeito de mandar matar filho de vereador tem prisão decretada

O suspeito Guilherme Dias de Miranda é acusado de ser o responsável pela morte do personal trainer Danilo de Souza Campos, filho do vereador Nilo Campos de VG

Lázaro Thor Borges

, da Redação

lazaro.borges@olivre.com.br

Danilo Camposs

Danilo foi morto a tiros na última quarta-feira (08)

Um homem suspeito de mandar matar o personal trainner Danilo de Souza Campos teve a prisão temporária decretada na tarde desta terça-feira (14). O suspeito é Guilherme Dias de Miranda. A Polícia Judiciária Civil começou a trabalhar com a hipótese de crime passional e já está praticamente descartada a possibilidade de ter sido um latrocínio. 

Guilherme seria marido de uma das alunas da academia onde Danilo trabalhava. A aluna teve ordem de busca para apreensão do celular dela, que foi entregue espontaneamente. 

A delegada Alana Cardoso, que coordena a equipe de buscas, informou que a casa, localizada no Condomínio Rubi, na Rodovia Mario Andrezza, em Várzea Grande, foi encontrada vazia e com aparência de que os moradores teriam fugido recentemente. No registro do condomínio consta que o casal saiu às 10h47, desta terça-feira (14.11). Durante a permanência dos policiais na residência, a mulher do suposto mandante chegou no imóvel e apresentou o aparelho celular.

A delegada destacou que o suspeito é considerado foragido da Justiça. Conforme ela, o crime teve motivação passional. A Polícia Civil ainda não identificou a dupla que efetivamente cometeu o crime contra Danilo, supostamente a mando de Guilherme. Ele foi morto por dois homens que estavam em uma motocileta na última quarta-feira (08). O personal é filho do vereador de Várzea Grande Nilo Campos

De acordo com informações do boletim de ocorrência, o crime ocorreu por volta das 21h20, próximo a uma distribuidora de bebidas, no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá.

O pai de Danilo, o vereador Nilo Campos, afirmou que não acredita que o filho tenha tido qualquer envolvimento com uma aluna. "Ele sempre foi um homem correto, trabalhador, não tenho o que reclamar, e nunca nos falou de ameaça, de nada", falou o vereador.