14 de novembro de 2017 - 18:20

Dias antes do crime, suposto mandante se hospedou em resort

O suspeito Guilherme Dias de Miranda esteve com a família no Malai Manso Resort, localizado em Chapada dos Guimarães

Lázaro Thor Borges

, da Redação

lazaro.borges@olivre.com.br

Guilherme Dias de Miranda

Guilherme Dias de Miranda (à esquerda) se hospedou com a família no Malai Manso Resort dias antes do crime

Dias antes da morte do personal trainer Danilo de Souza Campos, filho do vereador de Várzea Grande Nilo Campos, o suposto mandante do crime se hospedou no Malai Manso Resort com a família.

Guilherme Dias de Miranda, que teve a prisão preventiva decretada nesta terça-feira (14), esteve com a esposa, Anne Hovoruski no hotel. O casal compartilhou alguns momentos da viagem nas redes sociais. 

Conforme publicações, eles se hospedaram no resort nos dias 3 e 4 de novembro. Cinco dias antes do crime, que ocorreu em 8 de novembro, por volta das 21h20.

Danilo foi morto a tiros por dois homens que estavam em uma motocicleta. Segundo a Polícia Civil, a morte de Danilo é resultado de um crime passional. A suspeita é de que Guilherme teria se sentido ciúmes em relação ao personal trainer que trabalhava na mesma academia em que a esposa dele malhava.

O suspeito já é considerado fugitivo da Justiça. Ele não foi encontrado onde mora, no Condomínio Rubi em Várzea Grande, quando a Polícia Civil foi até o local cumprir mandado de prisão temporária (até 30 dias) expedido pela 12ª Vara Criminal de Cuiabá.

Guilherme Dias de Miranda

Guilherme Dias de Miranda é apontado pela Polícia Civil como suposto mandante do crime

Ane Hovoruski teve o celular apreendido pelos policiais. A delegada Alana Cardoso, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), deve periciar o aparelho na tentativa de encontrar indícios se o crime foi de fato passional ou não. Até a decretação da prisão de Guilherme, os familiares da vítima discordavam desta hipótese.

O vereador Nilo de Campos chegou a afirmar em entrevista ao LIVRE que o filho jamais relatou qualquer ameaça. Apesar de Guilherme ter sido identificado, a PJC ainda não encontrou os dois homens diretamente responsáveis pelos disparos que mataram o personal trainer.