13 de fevereiro de 2018 - 07:46

Aulas com personal trainer em Cuiabá chegam a custar R$ 2 mil por mês

Profissionais cobram de R$ 50 a R$ 100 a hora aula nas principais academias da Capital

Danúbia Machado

, da Redação

pautas@olivre.com.br

Arquivo pessoal

David personal

Há cinco anos atrás o personal David tinha apenas quatro alunos, hoje ele atende 22

A busca pelo corpo perfeito tem atraído cada vez mais adeptos nas academias. Homens, mulheres, cinquentões e até mesmo adolescentes numa corrida incessante pelo “shape” ideal.

Há os que defendam ser um estilo de vida em nome da saúde, e aqueles que não se importam em admitir que topam tudo (tudo mesmo!) para ter o físico tão desejado.

Esteroides, hormônios de crescimento como GH, Oxandrolona e tantos outros, já não são vistos como vilões, sendo inclusive receitados por alguns "profissionais" de forma ilegal. Nessa guerra entre “naturebas X bombadões”, ambos concordam que é necessário fazer alguma atividade física.

Ter essa motivação para frequentar a academia quase todos os dias sem perder o pique nem sempre é fácil, por isso muitos recorrem a um profissional esportivo.

É o caso do advogado Vinícius Ferreira de Carvalho Batista, 24 anos. Ele recorreu aos serviços de um personal em março de 2017 e diz sentir benefícios que não teria se tivesse continuado malhando sozinho. “Quando eu treinava só, não me sentia motivado. Sempre arrumava uma desculpa para não ir malhar e nunca via resultados nos meus treinos”, revelou. 

O advogado investe em média R$ 1,7 mil por mês somando personal, nutricionista e suplementos, e admite ser um gasto elevado “sei que o custo é alto, mas o reflexo no corpo e na qualidade de vida valem a pena”, confessou.

Mas não são todos que podem pagar por este tipo de serviço. Em Cuiabá, o valor cobrado por um personal pode variar de R$50 a R$100 por hora/aula. Em um mês, somadas as aulas de segunda à sexta-feira, o valor pode chegar a R$ 2 mil.

"O perigo para quem treina sozinho é achar que pode aumentar a carga, sem pensar no risco que corre em se machucar”, explicou.

Mesmo com valor pouco acessível, o número de profissionais tem crescido. Segundo o Conselho Regional de Educadores Físicos (CREF) hoje existem na capital cerca de 1,7 mil educadores físicos espalhados em 200 academias registradas.

Para David Jones Brandão, que atua na área há uma década a busca por esse serviço aumenta cada dia mais. “Em 2013, eu trabalhava com uns quatro alunos, hoje esse número chega a 22”.

A aula de David não sai por menos de R$ 80. “Estudei e tenho preparo para isso. A segurança do aluno deve vir em primeiro lugar. O perigo para quem treina sozinho é achar que pode aumentar a carga, sem pensar no risco que corre em se machucar”, explicou.

Uma alternativa para baratear os custos é dividir a aula com uma amiga, disse a personal Silvane Barbosa, 41 anos. “O custo não chega a cair pela metade, mas o plano mensal pode chegar a custar R$1.450 para cada aluna”.

Para exercer a profissão de personal trainer é preciso ser bacharel em Educação Física e ser registrado no CREF. Quem não estiver devidamente habilitado está impedido de dar aulas, caso contrário pode responder por crime de exercício ilegal da profissão. Antes de contratar o personal, pergunte sobre seu histórico, veja quais academias já deu aula, se necessário consulte o CREF pelo site www.cref17.org.br.